domingo, 20 de fevereiro de 2011

Bênçãos sem fim (ou: receita para ultrapassar os dias difíceis)

Quando somos crianças e, na escola ou na igreja ou em clubes desportivos, encontramos aquela amiga com quem passamos muito tempo, julgamos que encontrámos a melhor amiga que algum dia viríamos a ter. Depois crescemos mais um pouco, e na adolescência encontramos a colega de carteira com quem não cessamos de conversar e rir, e julgamos que encontrámos a melhor amiga que algum dia viríamos a ter. Entretanto, em intercâmbios escolares, acampamentos de verão, ou outras viagens, conhecemos alguém com quem realmente nos identificamos e partilhamos inúmeras experiências de vida, e julgamos que encontrámos a melhor amiga que algum dia viríamos a ter. E nestes julgamentos felizes, o tempo passa, as provações surgem, o amadurecimento dá-se. Ao atravessar as marés turbulentas e as vagas suaves com que somos presenteados em vida, é feita uma triagem natural do que é um julgamento bem feito e um julgamento precipitado.


em Marrocos


em Água de Madeiros


Há ainda muito que crescer, muito que caminhar, e muitas pessoas por conhecer. Mas há uma certeza funda de que eu encontrei as melhores amigas que algum dia julguei encontrar. Se me precipito ou escrevo um facto, o tempo o dirá. Por agora, o meu coração crê nisto com todas as forças que tem. E eu não cesso de Lhe agradecer por cada uma delas, pelas cores com que pintam os meus dias, pelo desafio que é chegar-lhes aos calcanhares; pela maneira como irradiam os meus dias sombrios, mesmo que nada digam. Existem, e já é o bastante

4 comentários:

Ana Nunes disse...

olha prima até chorei... :')


(estou a exagerar, mas sorri imenso e quase chorei, já é muito)


MUITO CORAÇÕES DE AMIZADE PARA TI <3

<3 <3

meg disse...

pronto. já chorei. quase. mas foi o sentimento. és muito linda. amo-te daqui até à china, moss. ♥♥

Ester disse...

és uma pessoa bonita, andreia! :)
aprecio o teu pensamento e visão sobre as coisas ;)

S. disse...

:)